Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Lar Conselhos Este saco de lavar a roupa evita o e...

Este saco de lavar a roupa evita o envio de microplásticos para o oceano

A Skizo acaba de criar um saco produzido a partir de redes de pesca descartadas e plástico recolhidos na costa e praias portuguesas, transformadas posteriormente em têxtil, que recolhe os microplásticos libertados pelas fibras das roupas durante as lavagens.

Este saco de lavar a roupa evita o envio de microplásticos para o oceano

A startup Skizo acaba de lançar um saco para lavagem de roupa sintética, que recolhe os microplásticos libertados pelas fibras das roupas durante as lavagens e evita o envio de pequenos pedaços de plástico para os rios e oceanos. De acordo com o comunicado enviado aos jornalistas, este produto é produzido a partir de redes de pesca descartadas e plástico recolhidos na costa e praias portuguesas, por pescadores locais, transformadas posteriormente em têxtil, por empresas do Norte de Portugal.

Segundo a mesma nota, as garrafas de plástico e as redes de pesca são, inicialmente, limpas, trituradas e passadas para pequenas bolas de plásticos (pellets). Posteriormente, são transformadas em fio e, de seguida, em têxtil categorizado como poliéster (garrafas) e poliamida (redes).

“Estima-se que 35% dos microplásticos libertados para o oceano são provenientes do desgaste de têxteis sintéticos, durante as lavagens. Estes microplásticos são ingeridos por peixes, que depois consumimos. Este saco é um primeiro passo para ajudar a resolver este problema ambiental”, começa por revelar André Facote, CEO e cofundador da Skizo, citado em comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso. 

Para utilizar o saco de lavagem, "basta enchê-lo com cerca de 2/3 de roupa sintética e colocar a lavar na máquina, juntamente com outras peças. Como os sacos são feitos com uma camada fina de poliamida com aberturas de cerca de 50 micrómetros, as fibras que se possam libertar das roupas sintéticas ficam retidas no saco”, sustenta o responsável. 

No futuro, a Skizo pretende ainda estudar a possibilidade de dar uma segunda vida aos microplásticos recolhidos pelo saco, assim como apostar na produção de roupa de banho, a partir de redes de pesca descartadas.

Faz ainda notar o mesmo comunicado que a marca já começou a linha de produtos com o desenvolvimento de sapatilhas. Assim, depois de ter vendido para a Europa, Brasil, EUA e Canadá, a startup irá lançar um novo design de sapatilhas para personalizar, em agosto. Além disso, criou também malas de praia produzidas com plástico do oceano, algodão reciclado e linho. 

Os preços destes produtos da Skizo vão desde os 25 euros aos 150 euros e são made to order, ou seja, apenas produzidos após a encomenda “para que só sejam usados os recursos necessários para a procura do mercado”, refere André Facote.

Leia Também: Repensar a reciclagem de plástico

Campo obrigatório