Meteorologia

  • 29 JULHO 2021
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 27º

Edição

Imobiliário Habitação Foram vendidas 14.713 casas em Lisbo...

Foram vendidas 14.713 casas em Lisboa no arranque do ano

Nos primeiros três meses de 2021, o número de venda de habitações na Área Metropolitana de Lisboa correspondeu a 33,6% do total do país. Ainda assim, "este foi o terceiro trimestre consecutivo em que se observou uma redução desta região", sustenta o INE.

Foram vendidas 14.713 casas em Lisboa no arranque do ano
Notícias ao Minuto

11:52 - 23/06/21 por Notícias ao Minuto 

Casa Casas vendidas

No 1º trimestre de 2021, foram vendidas cerca de 14.713 casas em Lisboa. De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), na Área Metropolitana de Lisboa, o número de habitações vendidas correspondeu a 33,6% do total do país. Ainda assim, "este foi o terceiro trimestre consecutivo em que se observou uma redução desta região", sustenta o INE.

A seguir na lista como a segunda região onde mais casas foram vendidas está a zona do Norte, com 12.713 transações, representando 29,1% do total. E em terceiro, a transacionar cerca de 8.541 alojamentos, está a região Centro. Uma "esta estimativa corresponde a um peso relativo de 19,5%, que tem aumentado há quatro trimestres consecutivos", refere o INE.

Já no Algarve, o número de transações totalizou as 3.240 unidades, um registo muito próximo do observado no Alentejo, 3.035 casas. Faz notar o INE que o registo obtido no Algarve traduziu-se numa redução do peso relativo desta região, para um total de 7,4%, enquanto no Alentejo, este foi o quinto trimestre consecutivo onde se observou um aumento da quota relativa regional, fixada em 6,9% no trimestre em análise.

Por seu lado, na Região Autónoma dos Açores e na Região Autónoma da Madeira foram vendidos 606 e 909 alojamentos, respetivamente, representando, 1,4% e 2,1%, pela mesma ordem, do número total.

Nos primeiros três meses de 2021, a Área Metropolitana de Lisboa representou 45,6% do valor total das habitações transacionadas no país, menos 2,2 p.p. face a idêntico período de 2020. Na região Norte, os alojamentos transacionados totalizaram 1,7 mil milhões de euros, sensivelmente o dobro da região Centro. As quotas relativas regionais das duas regiões aumentaram 1,8 p.p. e 1,0 p.p., respetivamente, mostram dados do INE.

O Alentejo, com um valor de 299 milhões de euros, 4,3% do total, apresentou igualmente um aumento da sua quota (+0,8 p.p.). No período em análise, o Algarve representou 9,4% do valor total das transações, correspondente a um decréscimo de 1,2 p.p. face a idêntico período do ano anterior.

O valor das transações de habitações na Região Autónoma dos Açores e na Região Autónoma da Madeira representaram 0,9% e 2,0%, respetivamente, do total, com uma redução homóloga de 0,3 p.p. no primeiro caso e um peso relativo inalterado, no segundo.

Ainda no 1.º trimestre de 2021, quatro das sete regiões apresentaram um crescimento simultâneo do número e do valor das transações de alojamentos relativamente ao mesmo período de 2020, faz notar o INE. Alentejo, Centro, Região Autónoma da Madeira e Norte registaram aumentos de 15,7%, 7,1%, 6,6% e 4,5%, respetivamente, no número de transações, e de 26,8%, 10,8%, 5,9% e 10,6%, pela mesma ordem, no valor das transações. 

Por outro lado, as restantes regiões evidenciaram uma contração do mercado imobiliário, tendo apresentado taxas de variação homólogas negativas, no número e no valor das habitações transacionadas. Revelam dados do INE que a Região Autónoma dos Açores foi a que registou a maior redução no número de transações (-17,6%), seguida do Algarve e da Área Metropolitana de Lisboa, (-13,5% e -4,7%, respetivamente). Em valor, as taxas de variação foram -18,9%, -9,1% e -2,2%, pela mesma ordem. 

Note que nos primeiros três meses deste ano, foram vendidas 43.757 habitações com um valor total de 6,9 mil milhões de euros, traduzindo-se assim num aumento, face ao primeiro trimestre do ano anterior, de 0,5% em janeiro e de 2,5% em março de 2021.

Leia Também: Preços das casas sobem 5,2% no 1.º trimestre, mas a um ritmo mais lento

Campo obrigatório