Meteorologia

  • 27 JUNHO 2017
Tempo
21º
MIN 21º MÁX 21º

Edição

Cândida Almeida tinha na mira Jardim e Relvas

A directora do DCIAP, Cândida Almeida, pediu que fosse levantada a imunidade ao presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, para averiguar a sua ligação aos erros nas contas da região autónoma, e outro dos seus últimos casos em mãos era a investigação à suposta ajuda do ministro Miguel Relvas à empresa Tecnoforma, noticia esta quarta-feira o Diário de Notícias (DN).

Cândida Almeida tinha na mira Jardim e Relvas
Notícias ao Minuto

09:42 - 20/02/13 por Notícias Ao Minuto

Política DCIAP

O DN escreve hoje que semanas antes de ter comunicado o afastamento de Cândida Almeida da direcção do Departamento Central de Acção Penal (DCIAP), a procuradora-geral da República (PGR) recebeu da directora do DCIAP um pedido de levantamento da imunidade de Alberto João Jardim, com o objectivo de que o Presidente do Governo Regional da Madeira fosse constituído arguido na investigação sobre as contas da ilha.

O jornal adianta que também tinha sido aberto recentemente um inquérito-crime ao caso da Tecnoforma, empresa ligada a Passos Coelho que terá sido ajudada por Miguel Relvas, que era, em 2002, secretário de Estado. Este inquérito foi aberto, por sua vez, por um dos procuradores também alvo dos recentes processos disciplinares, Paulo Gonçalves.

Ao DN, a procuradora-geral da República assegurou que não há qualquer ligação entre as investigações em curso e os processos instaurados a procuradores do DCIAP, entre eles

Cândida Almeida. Contudo, os dois temas têm sido ultimamente apontados por alguns procuradores do departamento como causas possíveis para a não renovação de Cândida Almeida como directora do serviço e, ao mesmo tempo, pelos novos processos disciplinares contra procuradores do DCIAP.

Campo obrigatório