Meteorologia

  • 24 JULHO 2017
Tempo
24º
MIN 23º MÁX 25º

Edição

Um em cada cinco reclusos de Coimbra sofre de hiperatividade

Um em cada cinco reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra sofre de Perturbação da Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA), concluiu o primeiro estudo sobre esta matéria realizado em Portugal junto da população prisional.

Um em cada cinco reclusos de Coimbra sofre de hiperatividade
Notícias ao Minuto

09:32 - 19/05/17 por Lusa

País Doença

"Os dados confirmam estudos internacionais que sugerem que a população prisional tem mais patologia psiquiatra do que a população em geral, o que pode explicar as razões porque cometeram alguns crimes", explicou hoje à agência Lusa Joaquim Cerejeira, coordenador do trabalho e professor de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (UC).

O estudo foi realizado durante cerca de um ano por psiquiatras e alunos da Faculdade de Medicina da UC e envolveu 101 reclusos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, com inteligência normal (QI superior a 85), sem qualquer outra doença psiquiátrica.

Segundo o psiquiatra, que preside à Associação Cérebro & Mente, a investigação indica ainda maior "comorbilidade psiquiátrica (mais do que um transtorno) entre os reclusos com PHDA, patente nos altos níveis de perturbação obsessiva-compulsiva, depressão, ansiedade e sintomas de paranoia, bem como início precoce da criminalidade e reincidência".

"Temos de atender à possibilidade de haver muitas pessoas que estão presas que poderiam melhorar o seu comportamento se fossem tratadas, porque nesta doença as pessoas são mais impulsivas e têm comportamentos fora das regras", acrescentou.

O estudo revelou ainda que o grupo de reclusos com PHDA apresenta "mais experiências adversas na infância, maior consumo de estupefacientes previamente à reclusão, maior taxa de reincidência criminal e níveis mais elevados de psicopatologia atual e traços psicopáticos".

De acordo com Joaquim Cerejeira, também clínico no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), os dados obtidos realçam a necessidade de diagnóstico e tratamento atempado, bem como a necessidade de intervenções psicossociais nos reclusos.

"O acompanhamento médico seria uma grande vantagem para o doente e para a sociedade, uma vez que o paciente teria menos probabilidades de se meter em problemas", frisou.

O coordenador do estudo considera que "os delinquentes adultos com PHDA são frequentemente mal diagnosticados ou nunca foram devidamente rastreados, o que torna difícil o seu encaminhamento para os serviços de saúde mental".

Para Joaquim Cerejeira, se o Serviço Nacional de Saúde (SNS) estivesse preparado para o diagnóstico atempado da PHDA "muitas pessoas não cometeriam crimes".

"O ideal seria, no futuro, o reconhecimento da doença na infância, quando os sintomas começam, e iniciar o seu tratamento", sublinhou o psiquiatra, referindo que o SNS desvaloriza a doença e não há "muitos médicos e serviços a tratar desta patologia".

As conclusões do estudo indicam que o correto diagnóstico e tratamento (farmacológico e não farmacológico) de PHDA na infância ou mesmo na idade adulto podem ter efeito benéfico sobre os caminhos para o comportamento delinquente, prevenindo a criminalidade.

A PHDA é uma doença neuropsiquiátrica crónica que se caracteriza pelo excesso de atividade motora, impulsividade e/ou desatenção, em maior frequência e gravidade do que habitual, perturbando negativamente a capacidade para estudar, trabalhar ou ter relacionamentos familiares e sociais.

Campo obrigatório