Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Há um ano classificado pela UNESCO, fabrico de chocalhos aguarda verbas

Um ano depois de ser classificado Património Cultural Imaterial pela UNESCO, o fabrico de chocalhos em Portugal, cuja "capital" é a vila de Alcáçovas, no Alentejo, aguarda financiamento para concretizar um projeto de salvaguarda.

Há um ano classificado pela UNESCO, fabrico de chocalhos aguarda verbas
Notícias ao Minuto

10:19 - 30/11/16 por Lusa

País Apoio

"Ainda é cedo para fazermos um balanço, ao fim de um ano, mas temos uma candidatura apresentada aos fundos estruturais e aguardamos a sua aprovação", disse hoje à agência Lusa o presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERT-AR), António Ceia da Silva.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) classificou, a 01 de dezembro de 2015, a arte chocalheira em Portugal como Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente.

A candidatura de Portugal sobre este ofício tradicional, em risco de extinção, foi liderada pela ERT-AR, em colaboração com a Câmara de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas, no distrito de Évora.

Segundo Ceia da Silva, o projeto da ERT-AR sobre o fabrico de chocalhos foi candidatado ao programa operacional regional Alentejo 2020 e visa "executar o plano de salvaguarda e gestão" aprovado pela UNESCO para garantir a sobrevivência desta arte.

"A candidatura designa-se 'Ativação do Património Imaterial' e tem muito a ver com executar as obrigações que assumimos perante a UNESCO, que é conseguirmos fazer com que a arte chocalheira não se extinga", disse.

O projeto, que a ERT-AR pretende implementar "nos próximos dois anos", passa por "conseguir que haja jovens a aprender a arte chocalheira e criar dinâmicas económicas" associadas ao fabrico de chocalhos, que "possam criar emprego e inovação", indicou.

O presidente da Turismo do Alentejo e Ribatejo considerou, por isso, que "é importante" a aprovação do projeto candidatado aos fundos comunitários, que é "a pedra basilar para executar tudo o que consta do plano de gestão e salvaguarda".

Ceia da Silva lembrou ainda que a ERT-AR, em parceria com a Câmara de Viana do Alentejo, pretende ainda instalar em Alcáçovas um centro UNESCO dedicado aos bens europeus classificados como Património Cultural Imaterial da Humanidade, o que inclui o fabrico de chocalhos.

Para assinalar o 1.º aniversário da classificação pela UNESCO, a Câmara de Viana do Alentejo vai promover o lançamento, na quinta-feira, no Paço dos Henriques, em Alcáçovas, do livro "Ó, Vitorino!" da autoria de Antonieta Félix e com ilustração de Alexandra Mariano.

A decisão de classificar a arte chocalheira foi tomada na 10.ª reunião do Comité Intergovernamental da UNESCO, em Windhoek, na Namíbia.

O fabrico de chocalhos, segundo o dossiê da candidatura, é uma atividade metalúrgica associada essencialmente à pastorícia e consiste "na produção de um idiofone em ferro forjado que é suspenso ao pescoço dos animais numa coleira".

Apesar de ter âmbito nacional, a candidatura teve por base o trabalho técnico e científico à volta da arte chocalheira na freguesia de Alcáçovas, no concelho de Viana do Alentejo, onde mais floresceu a partir do século XVIII.

Exercido por famílias, o ofício, no século XX, ressentiu-se do corte na transmissão, por falta de descendentes masculinos ou por os mais novos seguirem outras profissões, foi referido no dossiê.

A industrialização do fabrico e a quebra na procura de chocalhos devido às alterações verificadas no mundo da pastorícia, com o fim da transumância do gado ou a introdução de cercas, são outras das causas apontadas para a quase extinção desta manifestação cultural.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório