Meteorologia

  • 22 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Zika: Fomos o primeiro país europeu com um método de diagnóstico

Portugal tem a estirpe do vírus Zika em laboratório há mais de 60 anos. Na altura em que surgiu o primeiro surto, em 2007, os laboratórios lusos forneceram material de diagnóstico para ajudar outros países da Europa.

Zika: Fomos o primeiro país europeu com um método de diagnóstico
Notícias ao Minuto

08:30 - 12/02/16 por Anabela de Sousa Dantas

País Entrevista

É normal um laboratório ter uma vasta coleção de vírus que são utilizados, quando necessário, para o diagnóstico de doenças desconhecidas. “Era uma prática comum fazer-se essas trocas, portanto o nosso antigo diretor, na altura, recebeu o vírus muito cedo, depois de ele ter sido isolado, e usou-o no laboratório. Depois ficou guardado na nossa coleção histórica”, indicou ao Notícias ao Minuto Maria João Alves, investigadora do Centro de Estudo de Vetores e Doenças Infecciosas do Instituto Nacional de Saúde.

O vírus voltaria a ser usado em 2007, quando surgiu o primeiro surto de dimensões consideráveis - centenas na Micronésia e milhares na Polinésia. “Até 2007 só tinha havido 14 casos humanos que tinham sido diagnosticados porque os investigadores tinham à disposição o vírus para poder fazer o diagnóstico sorológico e molecular”, indicou a profissional.

Nessa altura, Portugal já tinha método de diagnóstico do vírus e os profissionais do Instituto Ricardo Jorge voltaram a preparar e a disponibilizar o mesmo.

Nós tínhamos o método sorológico uma vez que dispúnhamos do vírus. Desenvolvemos o método sorológico de identificação de soro e fornecemos material para a produção em outros países como Espanha, Alemanha, de maneira a que pudessem fazer o diagnóstico”, explicou Maria João Alves.

Agora, esses países já são autónomos no diagnóstico da doença mas, em 2007, foram os materiais portugueses a ser enviados para esses países e a contribuir, inclusive, para o diagnóstico.

Investigador português foi um dos dois únicos casos de infeção laboratorial

A vinda do vírus Zika para Portugal encerra uma curiosidade. Conforme explicado acima, antes do surto de 2007, tinham-se registado apenas 14 casos clínicos de infeção, sendo que duas delas foram infeções laboratoriais, ou seja, contraídas na manipulação dos vírus para investigação.

Armindo Filipe, o antigo diretor responsável pela vinda da estirpe para Portugal, foi um desses casos, ocorrido no ano de 1972, nos laboratórios portugueses.

“Foi uma febre de dois dias e foi uma curiosidade, passou completamente. E provavelmente foi até na manipulação do vírus com animais infetados, provavelmente nas experiências com ratinhos”, adiantou Maria João Alves.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório