Meteorologia

  • 28 JULHO 2017
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 20º

Edição

Colega de prisão denuncia privilégios de Sócrates

Um dos reclusos do Estabelecimento Prisional de Évora, João Sousa, mantém um blogue onde escreve sobre variados temas. A sua última entrada refere-se ao caso de José Sócrates e aos privilégios a que este terá direito dentro da cadeia. O ex-primeiro-ministro nunca terá sido alvo, por exemplo, de buscas na cela ou de revisão corporal.

Colega de prisão denuncia privilégios de Sócrates
Notícias ao Minuto

07:53 - 16/06/15 por Notícias Ao Minuto

País João Sousa

João Sousa, inspetor da Polícia Judiciária de Setúbal, é um dos colegas de prisão de José Sócrates em Évora e mantém um blogue na internet - 'Dos dois lados das grades' -, onde semanalmente vai publicando, sobre os mais variados temas.

A última entrada, datada de dia 13, descreve, alegadamente, a diferenciação no tratamento a José Sócrates no Estabelecimento Prisional de Évora.

“Com todo o respeito pela família e amigos do Eng. José Sócrates que sofrem com a sua reclusão, o José não é um recluso normal, e não é tratado como um recluso normal, igual aos outros”, escreveu, sublinhando que Sócrates recebe as visitas que quer, à hora que quer, em condições privilegiadas.

“O José está sozinho desde que entrou. Eu, tive que escrever ao Provedor de Justiça e à Inspecção Geral dos Serviços de Justiça, denunciando que em 9/10 meses recebi na minha cela, 4 reclusos”, acrescentou.

O inspetor da PJ, acusado de corrupção e branqueamento de capitais, indica ainda que ex-primeiro-ministro nunca foi alvo de uma busca na sua cela ou de uma revista corporal.

“Ao fim de um mês de ‘estadia’, qualquer recluso é alvo de uma busca na sua cela. É um procedimento de segurança. Já fui alvo de três, sendo que a última foi quando me identifiquei no ‘blog’: possivelmente pensaram que eu tinha um ‘iPad’ ou algo semelhante! Todos nós fomos alvo de mais ou menos buscas. Em 6 meses o José nunca foi alvo de busca (talvez tenham receio das pulgas!)”, criticou o recluso.

“A busca em si não é má, mau é a obrigação de desnudarmo-nos completamente e realizar agachamento, não se vá verificar a possibilidade de ocultarmos algo no ânus. O José nunca agachou”, adiantou.

O Jornal de Notícias contactou a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais sobre estas alegações ao que órgão respondeu que “a legislação e os regulamentos aplicam-se de igual modo a todos os reclusos”.

Campo obrigatório