Meteorologia

  • 23 JULHO 2018
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 18º

Edição

Médicos em formação que querem emigrar preocupa Ordem

A Ordem dos Médicos manifestou hoje "enorme preocupação" com os resultados do estudo que indicam que 65% dos médicos em formação ponderam emigrar, considerando que tal de deve à degradação das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde.

Médicos em formação que querem emigrar preocupa Ordem
Notícias ao Minuto

10:28 - 06/06/15 por Lusa

País Saúde

"A Ordem dos Médicos encara estes resultados sem grandes surpresas, mas com enorme preocupação. A desqualificação do trabalho médico, a degradação do trabalho no Serviço Nacional de Saúde (SNS), a falta de perspetivas de melhorias no médio prazo estão a motivar os médicos a sair do SNS para a reforma, para o setor privado e para a emigração", afirmou à agência Lusa o bastonário José Manuel Silva.

Para o responsável, quando a maioria dos "melhores jovens do país" pondera abandonar Portugal, isso devia obrigar a uma reflexão por parte do governo e de toda a sociedade.

"O desinvestimento no SNS, a desqualificação do trabalho médico, as dificuldades do exercício de uma medicina qualificada, o arrastamento burocrático dos concursos, os especialistas a serem remunerados como simples internos, tudo atira os médicos para fora do SNS e de Portugal", considera a Ordem.

José Manuel Silva manifestou também preocupação com os dados que indicam que 20% dos internos inquiridos afirmaram que talvez tivessem escolhido outra profissão se pudessem voltar atrás.

"As dificuldades no exercício da medicina em Portugal, neste momento, são imensas. Não é uma questão de falta de vocação, nem de disponibilidade para o trabalho, são as dificuldades diárias no exercício da medicina no SNS", justificou.

Além disso, acrescentou o bastonário, a ideia de que "a medicina era um El Dourado de emprego garantido e bem remunerado" está já desfasada da realidade atual.

O estudo realizado por médicos de todo o país revela que cerca de 65% dos médicos que frequentam o internato da especialidade em Portugal ponderam emigrar após concluída a formação.

O estudo, a que a Lusa teve acesso, foi conduzido por 31 médicos e foi baseado na inquirição a mais de 800 internos (15% do total) de 45 especialidades diferentes, distribuídos por unidades de todo o país.

O objetivo principal foi avaliar a ideia dos médicos sobre a sua formação, bem como os níveis de insatisfação e a intenção de emigrar, naquele que é um estudo inédito em Portugal, segundo um dos responsáveis, o médico psiquiatra Tiago Reis Marques.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.