AO MINUTO
topo
E você sabe o que as crianças realmente querem? por: Vippy.tv

Justiça Devedor sem bens 'perdoado' ao fim de três meses

Uma das medidas do novo Código de Processo Civil, que esta quinta-feira vai ser aprovado em Conselho de Ministros, pretende acabar com um dos maiores problemas da Justiça: o atraso nos julgamentos por cobrança de dívida. Assim sendo, as dívidas serão anuladas, se no prazo de três meses não forem encontrados bens penhoráveis, destaca o jornal i.
País
Devedor sem bens 'perdoado' ao fim de três meses Devedor sem bens 'perdoado' ao fim de três meses Devedor sem bens 'perdoado' ao fim de três meses
DR

O jornal i revela hoje que em relação à cobrança de dívidas, a reforma do Código de Processo Civil sugere a extinção de dívidas, se no prazo de três meses não forem encontrados bens penhoráveis. Este prazo passa também a ser aplicado nas diligências necessárias para a realização de pagamento, a contar da data da penhora, ou seja, da apreensão de bens do devedor.

PUB

Ao mesmo tempo passam a ser impenhoráveis dois terços de vencimentos ou salários, prestações periódicas ou quaisquer outras (como rendas), que assegurem a subsistência do executado. Isto é, quando o devedor não tiver outro rendimento, é impenhorável o montante equivalente a um salário mínimo nacional.

O Ministério da Justiça fala de “uma nova reforma para debelar os vícios que impõem as pendências patológicas, os atrasos injustificáveis e as irresponsabilidades consequentes”, refere o i.

O documento, que hoje vai ser discutido em Conselho de Ministros, não esquece outras questões como: o limite máximo de dez testemunhas; a restrição do adiamento da audiência final de um processo, sendo que quem o quiser fazer ou ousar manobras dilatórias será punido com taxas de justiça altas, taxas sancionatórias ou multas; e, a obrigação dos juízes proferirem a sentença no prazo de 30 dias após a audiência final de julgamento.

Também em Conselho de Ministros vai ser hoje aprovada a proposta de reforma do mapa judiciário, que prevê reduzir para 22 as actuais 230 comarcas, sendo já certo que vão encerrar 51 tribunais (24 extintos e 27 passam a balcões).

Regras de conduta dos comentários
14:51 - 26 de Setembro de 2014
Artigo patrocinado por Corega
PUB
Os principais destaques todos os dias no seu email.
Preencha correctamente o seu Email.
PUB
PUB
RECOMENDAMOS PARA SI Músico de rua torna-se estrela no YouTube.