AO MINUTO
topo
Quanto tempo é que deve esperar pelo amor da sua vida? por: Vippy.tv

Ilha Terceira Especialistas iniciam estudo de alegados achados arqueológicos

Uma equipa de 13 especialistas das áreas de Arqueologia, História e Geologia iniciou hoje uma investigação a alegados achados arqueológicos na ilha Terceira, nos Açores, anunciou o diretor regional da Cultura, Nuno Ribeiro Lopes.
País
Especialistas iniciam estudo de alegados achados arqueológicos Especialistas iniciam estudo de alegados achados arqueológicos Especialistas iniciam estudo de alegados achados arqueológicos
Lusa

"O que gostaríamos é que saísse daqui uma recomendação sobre aquilo que devemos fazer. Não vamos provar se é verdade ou não é, se é datado desta ou daquela época", salientou, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

PUB

Se as condições meteorológicas o permitirem, a comissão de especialistas terminará o seu trabalho no sábado, dia 19, de manhã, emitindo depois um relatório com orientações para a Direção Regional da Cultura.

Nuno Ribeiro Lopes destacou que a comissão é "completamente independente" e realçou que nem a Direção Regional da Cultura, nem os especialistas que descobriram locais que consideram ter valor arqueológico estão representados.

A criação desta comissão surge na sequência de um projeto de resolução do PPM, que recomenda ao Governo Regional que promova um estudo que permita a datação de achados nas ilhas Terceira e Corvo, por haver cientistas que defendem que são anteriores ao povoamento português do arquipélago.

A iniciativa do PPM foi discutida pela Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa da Região, onde foram ouvidos os arqueólogos Nuno Ribeiro e Anabela Joaquinito, que lamentaram não terem sido integrados na comissão que vai agora estudar os achados, reclamando terem descoberto um dos locais em causa.

Por sua vez, o diretor regional da Cultura justificou a não integração de quem identificou os locais nesta comissão com a necessidade de manter sua a independência.

"O que queríamos era que as pessoas estivessem livres de preconceito e pudessem abordar o assunto com toda a clareza", frisou, acrescentando que cabe à comissão decidir se quer ou não ouvir os cientistas que identificaram os locais.

A equipa é constituída por Cláudio Torres, responsável pelo Campo Arqueológico de Mértola, Isabel Albergaria, Avelino Meneses, José Damião, João Luís Gaspar, Gabriela Queirós, Ana Isabel Gomes e Angus Duncan, da Universidade dos Açores, Raquel Vilaça, da Universidade de Coimbra, Ana Margarida Arruda e Ana Catarina Sousa, da Universidade de Lisboa, Rui Parreira, da Direção Regional de Cultura do Algarve, e Francisco Maduro Dias, do Instituto Histórico da Ilha Terceira.

Questionado pelos jornalistas, o historiador Avelino Meneses considerou ser "prematuro" adiantar com quem e quando vai a comissão falar, tendo em conta que os trabalhos se iniciaram hoje.

"Vamos definir que instrumentos de trabalho carecemos e vamos ponderar quem deveremos ouvir", frisou.

A Direção Regional da Cultura cedeu a cada elemento da comissão notícias que foram publicadas sobre os alegados achados e relatórios que a tutela encomendou, como o da arqueóloga Ana Margarida Arruda, que integra também a comissão.

Segundo Nuno Ribeiro Lopes, a Direção Regional da Cultura convidou a arqueóloga a integrar a comissão por considerar que ela tinha "o direito de confirmar ou alterar a sua própria informação", já que poderá agora cruzar os seus dados com os de especialistas noutras áreas, além de ser "a pessoa mais fundamentada em Portugal e reconhecida internacionalmente sobre a questão fenício-púnica".

A comissão vai investigar três locais na ilha Terceira, Monte Brasil, Espigão e Quatro Ribeiras, até sábado, escolhendo uma data para posteriormente alguns elementos visitarem também a ilha do Corvo.

Regras de conduta dos comentários
12:44 - 22 de Outubro de 2014
Artigo patrocinado por Dacia
PUB
Os principais destaques todos os dias no seu email.
Preencha correctamente o seu Email.
PUB
PUB
RECOMENDAMOS PARA SI Ilha Terceira novamente afetada por cortes de energia