Espiões dos EUA e Israel irritados com revelações de Trump a russos

Os EUA e Israel desvalorizam publicamente as alegações de que o Presidente norte-americano partilhou com russos informação sensível, obtida pela espionagem israelita, mas os espiões daqueles países estão frustrados e receosos com as repercussões para a sua parceria.

© Getty Images
Mundo Polémica

"Sei como as coisas funcionam nas informações israelitas", afirmou Uri Bar-Joseph, professor na Universidade de Haifa, em Israel, que tem estudado e escrito sobre as operações de espionagem do Estado de Israel.

PUB

"Tenho alguns amigos com quem falo. Eles estão perturbados. Estão sinceramente frustados e irritados", disse.

Durante uma reunião na Casa Branca com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo e o embaixador da Federação Russa nos EUA, na semana passada, Donald Trump partilhou informações sobre uma ameaça proveniente do grupo que se designa por Estado Islâmico, envolvendo computadores portáteis em aviões, segundo um dirigente sénior norte-americano, que falou sob anonimato, por não estar autorizado a falar sobre assuntos sensíveis.

Direntes dos EUA e de Israel prrocuraram acalmar a situação. O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, H. R. McMaster, disse à imprensa que as revelações de Trump foram "totalmente apropriadas".

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, divulgou uma mensagem na rede social Twitter, garantindo que estes dois aliados vão continuar a ter uma "profunda, significativa e inédita" relação de segurança.

Mas algumas das pessoas que passaram anos a defender esta relação preveem consequências destas revelações de Trump.

Trump fez "dois erros muito sérios", disse o antigo diretor da Agência Cental de Informações (CIA, na sigla em Inglês) John Brennan, na quinta-feira, durante um encontro de dirigentes financeiros, em Las Vegas.

"Partilhamos muita informação sensível sobre as operações de terrorismo planeadas contra os russos", disse. "Mas partilhamo-la através dos canais das informações e certificamo-nos de que a linguagem do que se partilha não ccompromete, seja como for, os nossos sistemas de obtenção das informações. Trump não fez isto", considerou.

Um antigo diretor da agência de espionagem israelita Mossad, Shabtai Shavit, disse à agência AP que o seu "sentimento é que quem quer que pertença a este clube profissional (círculos de espionagem) está muito irritado".

Outro antigo diretor da Mossad, Danny Yatom, disse a uma estação radiofónica israelita que se as notícias são certas, Trump causou provavelmente "grandes estragos" à segurança dos EUA e de Israel.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser