Meteorologia

  • 22 JULHO 2017
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 21º

Edição

Executado príncipe saudita por homicídio de compatriota

As autoridades sauditas executaram um jovem príncipe condenado, em 2012, pelo assassínio de um compatriota, num raro caso de aplicação da pena capital a um membro da família real saudita, foi hoje noticiado.

Executado príncipe saudita por homicídio de compatriota
Notícias ao Minuto

10:20 - 19/10/16 por Lusa

Mundo Família real

De acordo com um comunicado do Ministério do Interior saudita, divulgado pelos 'media' locais, o príncipe Turki bin Saud foi executado na terça-feira.

Turki bin Saud foi condenado à morte por ter matado a tiro Adel Suleiman al Mohaimid, durante um confronto entre vários jovens na zona rural de Al Zamama, a leste da capital saudita, Riade.

A vítima era amigo de Turki, que na altura do incidente estava embriagado, escreveram os meios de comunicação sauditas em 2012, afirmando tratar-se de um homicídio involuntário.

A família de Al Mohaimid insistiu na execução do príncipe e recusou a 'diyah', uma compensação financeira paga pelo agressor aos familiares da vítima para obter perdão em crimes de homicídio, agressões ou danos materiais.

Turki não é descendente direto do fundador do reino saudita, o rei Abdelaziz al Saud, pai do atual monarca, Salman bin Abdelaziz, mas de outro ramo da dinastia Al Saud, que reina na Arábia Saudita desde 1932.

Esta não é a primeira vez que é executado um membro da família real saudita. Em 1975, o príncipe Faisal bin Masaed foi executado pelo homicídio do tio paterno, o rei Faisal.

Em 2014, o príncipe Fahd bin Nayef matou um jovem, mas foi perdoado pela família da vítima.

As condenações à morte têm de ser ratificadas pelo rei e desde que Salman bin Abdelaziz subiu ao trono, em 2015, as execuções aumentaram de 88 em 2014 para 158 no ano passado, denunciaram organizações de defesa dos direitos humanos.

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) indicou que, em finais de julho passado, as autoridades sauditas aplicaram a pena de morte a 108 pessoas desde o início do ano.

Campo obrigatório