Meteorologia

  • 22 MAIO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Eleições regionais adiadas para o final do primeiro semestre de 2017

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) anunciou hoje que as eleições para governadores regionais vão realizar-se no final do primeiro semestre do próximo ano.

Eleições regionais adiadas para o final do primeiro semestre de 2017
Notícias ao Minuto

06:09 - 19/10/16 por Lusa

Mundo Venezuela

"As eleições regionais ficam estabelecidas para finais do primeiro semestre de 2017", disse a presidente do CNE, Tibisay Lucena, durante uma conferência de imprensa em Caracas.

O anúncio tem lugar numa altura em que a oposição venezuelana reclama que sejam convocadas as eleições para governadores, realizadas pela última vez em dezembro de 2012, para um mandato de quatro anos de duração.

Para o final do segundo semestre de 2017 ficaram marcadas as eleições para as câmaras municipais.

A oposição já reagiu aos anúncios e acusou o CNE de adiar as eleições devido à baixa popularidade do Presidente Nicolás Maduro, agravada pela crise política e socioeconómica que afeta o país, onde são cada vez mais frequentes as queixas da população sobre a insegurança e dificuldades para conseguirem obter bens essenciais.

No passado dia 04, o próprio Presidente venezuelano sublinhou que a realização de eleições não é uma prioridade nacional.

"A prioridade, na Venezuela, não é fazer eleições, a prioridade é a economia, recuperar a produção", disse, durante um ato transmitido pela televisão estatal.

A oposição venezuelana, que quer realizar, ainda este ano, um referendo revogatório do mandato do Presidente, tem acusado o CNE de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo para protelar a saída de Nicolás Maduro do poder.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Se o referendo ocorrer depois dessa data, o vice-presidente da Venezuela em funções, atualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

No final do mês passado, o CNE afastou a possibilidade de o referendo se realizar antes de meados do primeiro trimestre do próximo ano.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.