As 'pistas' que Bento XVI deu e ninguém quis ver

A resignação do Papa Bento XVI apanhou o Mundo, dentro e fora do Vaticano, de surpresa. Mas, o Diário de Notícias (DN), recorda esta terça-feira alguns sinais que o pontífice deu e que deixavam transparecer o seu cansaço.

© DR
Mundo Vaticano

A possibilidade de abandonar o Vaticano já tinha sido equacionada há dois anos, revela quem seguia o Papa mais de perto. Mas, mais recentemente, há cerca de dez dias, em plena missa, Bento XVI deixou cair o báculo (cajado com a cruz), sendo que nesta mesma circunstância na Basília de São Pedro, o pontífice enrolou-se nas vestes quando incensava o altar. O que acabou por não conseguir fazer até ao fim.

PUB

Dois meses antes, na oração Angelus recitada a partir da sua janela na Basília de São Pedro, Bento XVI pediu desculpa aos fiéis que o escutavam por os seus “olhos cansados” lhe perturbarem a fluidez do discurso.

A juntar a estes pequenos episódios, há vários anos que o Papa Bento XVI, prestes a completar 86 anos, sofria de problemas cardíacos que, destaca o DN, vitimaram a sua irmã.

No mesmo sentido, o editor da Principia, que publicou alguns dos muitos livros de Joseph Ratzinger, Henrique Mota recorda um Papa mais cansado na última vez que o viu, em Novembro do ano passado. “Achei-o simpático como sempre, mas pensei que não era fácil com aquela idade desempenhar com ligeireza o cargo”, testemunha ao DN.

A resignação de um Papa está prevista no Direito Canónico, mas praticamente não há memória de tal situação. A última vez que aconteceu foi em 1415 com Gregório XII e com consequências profundas para a Igreja Católica.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser