Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2018
Tempo
29º
MIN 27º MÁX 30º

Edição

Novo instituto oncológico de Angola quer ser referência em África

O Instituto Angolano de Controlo de Câncer (IACC), criado este mês por decreto presidencial, vai integrar o Serviço Nacional Saúde de Angola e quer assumir-se como instituição de referência nas regiões central e austral de África.

Novo instituto oncológico de Angola quer ser referência em África
Notícias ao Minuto

18:31 - 09/09/14 por Lusa

Mundo Luanda

O objetivo consta do estatuto orgânico do IACC, aprovado por decreto presidencial de 02 de setembro, ao qual a Lusa teve hoje acesso. Assume o propósito de "transformar" o IACC "numa instituição de referência em prevenção, diagnóstico e tratamento de alta complexidade das doenças oncológicas em Angola e nas regiões central e austral de África".

No despacho que cria a instituição, é definido que se tratará de um estabelecimento público de saúde da rede hospitalar de referência nacional, "integrado no Serviço Nacional de Saúde para a prestação de assistência no domínio da prevenção e diagnóstico precoce do câncer [cancro]", bem como "do tratamento especializado e complexo" dos pacientes oncológicos.

Entre as atribuições do IACC conta-se a de assegurar a assistência médica e medicamentosa em oncologia, a implementação de políticas, programas e planos nacionais de prevenção, bem como o tratamento especializado.

Deverá ainda assegurar a reabilitação de doentes, quer internos quer em consultas externas e a prestação de serviços de ação social ou a promoção da investigação científica na área da medicina preventiva e curativa em especialidades como oncologia clínica, cirurgia oncológica geral, radioterapia e anatomia patológica.

O novo instituto angolano, sob tutela do Ministério da Saúde, terá igualmente a missão de "colaborar" com as províncias no apoio à implantação dos Centros Oncológicos Locais.

Os cancros da mama e do colo do útero lideram os novos casos de problemas oncológicos diagnosticadas em Angola, de acordo com dados do Centro Nacional de Oncologia revelados em junho.

Aquela unidade recebeu em Luanda, provenientes de todo o país, durante o ano de 2013, um total de 1.329 novos casos de cancro. Destes, 314 (23,6%) dizem respeito a novos casos de cancro da mama diagnosticados e 180 (13,5%) referem-se ao diagnóstico de cancro do colo do útero.

Uma tendência que se repetiu entre janeiro e maio de 2014, período em que foram registados 406 novos casos de cancro no país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório