Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2017
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 14º

Edição

"Rejeito a ideia de que a dívida está fora de controlo"

Na sessão de perguntas que se seguiu ao Briefing, em que a ministra das Finanças anunciou uma revisão em alta da dívida, que deverá ficar no final do ano nos 130,9%, Maria Luís Albuquerque rejeitou que esta esteja fora de controlo.

"Rejeito a ideia de que a dívida está fora de controlo"
Notícias ao Minuto

13:49 - 28/08/14 por Notícias Ao Minuto

Economia Maria Luís Albuquerque

“Fazemos uma revisão do que é a previsão da dívida para os 130,9% do PIB [Produto Interno Bruto]. (…) [Porém], rejeito a ideia que a dívida está fora do controlo. Ela está dentro das nossas previsões. A dívida líquida é significativamente inferior à dívida bruta”, disse esta quinta-feira a ministra das Finanças em resposta as perguntas dos jornalistas no briefing de Conselho de Ministros, em que foi apresentado o Orçamento Retificativo.

Em abril, no Documento de Estratégia Orçamental (DEO), o Governo tinha estimado que no final do ano a dívida pública portuguesa se fixasse nos 130,2%, sendo que o Orçamento do Estado, apresentado em outubro de 2013, previa uma dívida pública de 126,6% do PIB, no final de 2014.

Maria Luís Albuquerque lembrou, porém, a redução de despesa que foi realizada pelo Executivo, nomeadamente, ao nível da despesa primária, recordando que “a redução que foi feita por este Governo desde que entrou em funções foi na ordem dos 6 mil milhões de euros”.

Acerca da necessidade de novas medidas orçamentais, nomeadamente um aumento do IVA, a ministra das Finanças negou esse cenário. “Não há novas medidas específicas, há um esforço de contenção da despesa que mantemos até ao final do ano. Não há novos cortes”, explicou, reforçando que isso só é possível, sobretudo, porque “temos um crescimento mais forte do consumo interno que se reflete no aumento da receita fiscal”.

“Não fazia sentido ponderar um aumento de impostos para este ano. Para o próximo ano a discussão ainda não se iniciou. A dinâmica de consolidação orçamental mantém-se. Défice significa dívida. Quanto maior é o défice maior é a dívida e por isso mais juros se pagam. Por isso não podemos deixar de pensar neste reverso da medalha [quando pensamos em flexibilização das metas]”, atirou quando questionada pelos jornalistas sobre se teria o Governo perdido margem para um renegociação da meta do défice em 2,5% ,para 2015, com as entidades internacionais.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório