'Dragão' teve asas mas saltou o precipício para aprender a voar

FC Porto sofreu a bom sofrer, chegou a pensar ter perdido um jogo que parecia fácil no plano teórico, mas acabou por vencer merecidamente tendo em conta o que produziu dentro do relvado.

© Getty Images
Desporto Análise

O FC Porto levava na mala para Brugge o favoritismo de uma equipa com maior experiência na Liga dos Campeões e a obrigação de vencer para entrar na corrida por um lugar nos ‘oitavos’ de final da prova.

PUB

Contudo, o futebol é parco em surpresas e o favoritismo dos portistas converteu-se em dúvida e muito sofrimento. Os ‘dragões’ entraram algo adormecidos e até deslumbrados com a teórica maior valia da sua equipa e acabaram por ter de arregaçar as mangas para arrancar uma vitória tardia.

A estatística mostra um conjunto ‘azul e branco’ mais forte, mas no relvado a história foi bastante diferente com uma equipa algo inconsequente, lenta e até perdida em alguns momentos.

Os portistas dominaram nas tentativas de golo, assim como nos remates à baliza ou até mesmo nos pontapés de canto e nos livres diretos.

Em contrapartida, um inspirado Butelle foi segurando uma vantagem belga conseguida aos 12 minutos. A contribuir para a incerteza no resultado estive ainda a maior agressividade do conjunto belga, bem montado e confortável no jogo.

Numa conclusão fácil de perceber, os portistas foram muitas vezes à fonte, mas no cântaro parecia não partir, até que André Silva – Já depois de Layún ter empatado na reta final do segundo tempo – carimbar a vitória nos descontos.

O FC Porto foi sempre mais forte e arriscou-se mesmo a cair no precipício, leia-se, desgraça para posteriormente se reerguer e carimbar uma vitória muito sofrida. Esta foi a prova que apesar de haver uma estratégia montada no papel, há o jogo jogado no relvado e lá é que as coisas se desenrolam e decidem.

Os portistas dominaram o jogo - salvo o periclitar inicial - mas nunca conseguiram traduzir esse domínio em golos. Falhou o último passe e maior capacidade para servir um André Silva que muitas vezes pareceu 'ensanduichado' por uma defesa prática e um meio-campo muito recuado.

Os remates de fora da área foram sempre a solução de recurso de uma equipa que não conseguia quebrar a muralha belga. Daí se explica o grande número de remates, que foram muitas vezes a última solução, pouco enquadrados, e acabaram por ser em desespero.

Club Brugge VS FC Porto
40% Posse de bola 60%
18% Ataque perigoso 26%
40% Ataque 42%
43% Bola segura 32%
6 Tentativas de golo 15
5 Remates à baliza 8
1 Remates fora 7
3 Cantos 8
12 Livres diretos 17
2/0 Cartões amarelos/vermelhos 1/0
13 Faltas 10
COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser